domingo, 15 de setembro de 2019

Notícias

In:

Planejamento divulga Índices de Preço ao Consumidor de janeiro

Por Redação Com Seplag
(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

Passada a euforia das compras e viagens de fim de ano, é chegada a hora em que o consumidor precisa lidar com uma série de obrigações financeiras que surgem em todo ano novo. E é claro que todos esses comprometimentos acabaram refletindo no Índice de Preço ao Consumidor (IPC) da cidade de Maceió.

Pelo menos é o que revela os dados da superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (Sinc), vinculada à Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag). Segundo a pesquisa, em janeiro, o IPC apresentou uma variação de 1,51%. Nesse mês, o grupo que apresentou a maior variação foi Transportes, com 5,29%, seguido das Despesas Pessoais, com 1,69% de aumento.

“A elevação no grupo de Transportes foi impulsionado, principalmente, pelo aumento da passagem do ônibus urbano, que passou de R$ 2,75 para R$ 3,15. No total, esse aumento foi de 14,55 pontos percentuais. Já nas Despesas, percebe-se que o grupo foi influenciado pelos preços dos hotéis, bastante procurados no período de férias de início do ano, bem como nas festas carnavalescas”, explica o gerente de pesquisas da Seplag, Gilvan Sinésio.

Ainda de acordo com as pesquisas de preços dos produtos e cálculos realizados pela pesquisa, em janeiro, grupos como o de Alimentação e Bebidas, Educação e Comunicação apresentaram variações de 1,11%, 1,01% e 0,47%, respectivamente.

“É entendível que alguns produtos aumentem nessa época. Refrigerantes e água mineral, por exemplo, tiveram variação positiva de 2,74%. Já os tradicionais livros escolares aumentaram em 13,59%”, salienta Sinésio.

A pesquisa também fez o levantamento da cesta básica vendida nos centros de compras da capital alagoana. Segundo os dados, o item comprometeu um percentual de 34,37% do salário atual, o que representa uma queda de 2,83 pontos percentuais em relação ao mês anterior.

Em valores monetários, porém, é possível perceber que, para adquirir a ração mínima alimentar, foi necessário que o maceioense utilizasse a quantia de R$ 302,42 para a sua alimentação pessoal, independente de outras despesas necessárias a sua sobrevivência e de seus familiares. Em dezembro, a quantia foi de R$ 293,10.

Já em relação aos produtos que compõem a cesta, o tomate, o feijão e a carne foram os que registraram as variações mais significativas. Todavia, a carne ainda mostrou-se como o produto que mais pesou no orçamento, com preço médio de R$ 18,96 por quilo.

“Em geral, o número de despesas em janeiro é grande e, por isso, vemos esse resultado. A palavra-chave que o maceioense deve ter em mente é organização”, ressalta Gilvan.

Para verificar a pesquisa completa e ter acesso a outros dados coletados pela Seplag, acesse o site Alagoas em Dados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com