domingo, 28 de novembro de 2021

Notícias

In:

Músicos utilizam poder das canções como instrumento educacional

Por Educa Mais Brasil

Para educador e compositor Gerson Guimarães, “a música é invisível, porém poderosa”

Com a experiência de quem há 25 anos une a música à educação, o compositor e professor de História Gerson Guimarães, 56, uniu a história de um menino que não sabia ler, a música e um circo para mostrar uma realidade muito conhecida na população brasileira: o aprendizado tardio da leitura. Disso nasceu o espetáculo musical Circo do Só Ler, vencedor do Prêmio Braskem de Teatro na categoria Melhor Espetáculo Infantojuvenil em 2014.

Espetáculo Circo do Só Ler. Créditos Foto: Divulgação (Acervo Pessoal)

Na peça teatral, um menino que não sabia ler vê tudo mudar com a chegada de um circo bem diferente à sua cidade, que a convida para uma viagem no mundo mágico da literatura infantil. Na trajetória, ele é desafiado a aprender a ler, para assim entender como a letra forma uma palavra e como as palavras contam histórias. 

“Por não saber ler, o menino vê o ingresso do circo todo em branco e chega a reclamar com o palhaço que o bilhete não estava preenchido. Ao perceber que o ingresso estava correto e que, na verdade, o menino não conseguia entender a mensagem, a trupe do circo o leva para uma viagem no mundo mágico da literatura que desperta seu interesse não só pelas palavras, mas por conhecimento”, detalha o educador. 

Gerson teve a ideia de montar o espetáculo através de um convite para ser mestre de cerimônia da formatura do filho que estava concluindo o Ensino Fundamental. Acostumado a lidar com adolescentes, o professor precisou recorrer ao lúdico para entreter o público que participava do evento. Um show de mágica, uma apresentação no power point e uma canção foram a solução. 

“A música é invisível, porém muito poderosa. É um grande instrumento de educação e transformação. Independentemente de ser professor ou não, qualquer pessoa pode levar ensinamentos através de canções para as salas de aula e para a vida”, conclui com o professor compositor. 

A música como norteador de destino

Há quem diga que a música é terapêutica. Outros vão além e garantem que ela salva vidas. Para o designer e cantor Igor Lisboa, o contato com a música foi um divisor de águas e mudou seu destino. “A música me ajudou a ser disciplinado. Tive um momento muito complicado na minha vida, quando eu passei no vestibular, mas reprovei no Ensino Médio. A sensação era que eu tinha queimado uma etapa. Então, foi um momento muito ruim e, de alguma forma, tocar instrumentos me ajudou a ter disciplina de novo para concluir o Ensino Médio”, lembra Lisboa que, aos 16 anos, aprendeu os primeiros acordes.

Cantor e Designer Igor Lisboa – Créditos Foto: Evelyn Marchant

Começou com a guitarra. Logo despertou interesse pelo violão, teclado, baixo e só parou quando se percebeu multi-instrumentista. O amor pela arte se expressava também através de desenhos. Igor sempre gostou de desenhar, pintar e lidar com artes visuais. Daí a formação em Design. Mas sua verdadeira paixão, se tornou também o seu instrumento de trabalho. “Encontrei na música algo que faz eu me sentir muito bem. Diferente de outras experiências artísticas que eu tive até então, a música tem um papel de destaque na minha vida”, conta.

Autor de 19 singles e com 2 EPs lançados, Igor Lisboa já participou de algumas bandas de rock em Salvador, mas, há quatros anos, prefere trilhar a carreira solo. Em seu mais novo álbum, intitulado Desgaste Completo, as canções são como pílulas de conforto para mentes e corpos cansados, uma resposta a várias situações desafiadoras que o artista e o mundo têm vivenciado. Dentre elas, a pandemia. “A arte é uma forma de compartilhar com outras pessoas que estão lidando com os mesmos sentimentos e questões que provocam angústia”. 

A temática ambiental é outra fonte de inspiração para as composições autorias. Na pauta musical e ecológica, destacam-se canções como Aquecimento Global, cuja letra não esconde indignação. “Não tenho palavras para isso. A questão não é mais: como evitar o aquecimento global.  A questão é pensar em meios de sobrevivência para a raça humana”. A atmosfera do disco é de enfrentamento de problemas, sejam individuais ou coletivos. As letras são um convite à reflexão. “As canções são poderosas. Podem e devem ser usadas como veículo para transmitir mensagens”, conclui. 

Compartilhe:
Tags: ,,,

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *