quinta-feira, 04 de Março de 2021

Notícias

In:

Devido à pandemia, Governo não autorizará grandes festas de Réveillon em Alagoas

Por Severino Carvalho

Governador Renan Filho (Foto – Márcio Ferreira)

O governador Renan Filho afirmou, na manhã desta quinta-feira (03), durante entrevista coletiva no Palácio República dos Palmares, que a realização de festas de Réveillon em Alagoas só será permitida com público de até 300 pessoas e em ambientes abertos. Segundo ele, em eventos com áreas fechadas, o número deverá ser ainda mais reduzido para evitar a propagação do novo coronavírus e o aumento do número de casos da Covid-19 no estado.

“Ontem tivemos uma reunião, que eu reputo muito importante, com o Ministério Público Estadual, onde foi orientado que não façamos grandes eventos de Réveillon. Alagoas virou o estado do Réveillon no Brasil, Maceió também, mas em ano de pandemia, infelizmente, não vai haver condição de realizar (grandes festas de) Réveillon aqui. Nós vamos manter o decreto permitindo somente a realização de eventos com público de até 300 pessoas e em ambientes abertos; em ambientes fechados para públicos menores”, explicou o governador.

Com limite de 300 pessoas, eventos de fim de ano devem seguir regras do Decreto Nº 71.467/20

Ao ser indagado sobre a ocorrência de uma possível segunda onda da Covid em Alagoas, Renan Filho garantiu que o Governo do Estado está atento para evitar que isso ocorra. Ele lembrou que em nenhum momento da pandemia a rede de saúde pública de Alagoas entrou em colapso e que mantém, na atualidade, uma boa oferta de leitos a pacientes acometidos pela doença provocada pelo novo coronavírus.

“Enquanto outros estados construíram hospitais de campanha, e depois que a primeira onda se dissipou eles desmontaram, aqui nós construímos hospitais de verdade, que ainda estão funcionando para salvar vidas. Nós temos hoje uma rede de saúde muito mais robusta”, destacou o governador.

Renan Filho revelou, ainda, que voltará a anunciar novas medidas de combate à pandemia nos próximos dias em transmissão ao vivo pelas redes sociais. Ele falou com a imprensa antes do início da solenidade de cessão de um terreno à Associação Pestalozzi de Maceió, no Palácio República dos Palmares.

“A gente fala muito sobre (segunda) onda, mas a gente chegou a ter em maio uma semana com 220 mortes. Na semana passada, tivemos 14 mortes; ainda são muitas, mas não dá para comparar com o que acontecera em passado recente, lá no mês de maio”, ponderou.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *