terça-feira, 14 de julho de 2020

Notícias

In:

15 das 26 atividades mostraram reduções recordes da produção em abril ante março

A queda de 18,8% na indústria em abril ante março foi disseminada, alcançando 22 das 26 atividades pesquisadas, sendo que 15 delas tiveram perdas recordes em meio à pandemia do novo coronavírus, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A influência negativa mais relevante foi da produção de veículos automotores, reboques e carrocerias, que despencou 88,5%, a queda mais intensa da série histórica, devido a paralisações e interrupções de várias unidades produtivas em função da pandemia da covid-19. No mês anterior, a atividade de veículos já tinha recuado 28,0%. Em dois meses de perdas, a atividade de veículos encolheu 91,7%.

“O grupo veículos automotores alcança seu ponto mais baixo dentro da série histórica”, ressaltou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE,

Houve redução na produção de automóveis, caminhões, ônibus, carrocerias, autopeças. “Mas sem sombra de dúvida o principal item (com queda) acaba sendo automóveis”, disse Macedo.

Outras contribuições negativas relevantes sobre o total da indústria foram de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-18,4%), metalurgia (-28,8%), máquinas e equipamentos (-30,8%), bebidas (-37,6%), produtos de borracha e de material plástico (-25,8%), produtos de minerais não-metálicos (-26,4%), produtos de metal (-26,8%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-33,8%), outros equipamentos de transporte (-76,3%), couro, artigos para viagem e calçados (-48,8%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-37,5%), produtos têxteis (-38,6%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-26,0%), outros produtos químicos (-7,3%), produtos diversos (-30,6%) e móveis (-36,7%).

Além de veículos, outras reduções recordes na produção ocorreram nos setores de bebidas, têxteis, calçados, derivados de petróleo, borracha, minerais não metálicos, metalurgia, produtos de metal, equipamentos eletrônicos e informática, máquinas e aparelhos elétricos, entre outros.

“Mais da metade das atividades investigadas estão com as maiores quedas de suas séries. Isso também dá a dimensão do tamanho da perda que abril nos mostrou para o setor industrial”, avaliou Macedo.

Na direção oposta, a fabricação de produtos alimentícios cresceu 3,3% em abril ante março, enquanto produtos farmoquímicos e farmacêuticos avançaram 6,6%. Ambos tinham recuado no mês anterior: -1,0% e -11,0%, respectivamente.

O setor de perfumaria, sabões e produtos de limpeza avançou 1,3%, enquanto as indústrias extrativas ficaram estáveis (0,0%).

Segundo André Macedo, os três setores com avanço na produção em abril ante março, na contramão do restante da indústria, foram impulsionados por hábitos de consumo decorrentes das medidas de isolamento social, com maior demanda por alimentos e produtos de higiene e limpeza, por exemplo.

Autor: Daniela Amorim
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *