quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Notícias

In:

MP denuncia suspeitos por venda ilegal de terreno em Marechal Deodoro

Por Redação com G1

O Ministério Público do Estado de Alagoas (MP-AL), por meio da Promotoria de Justiça de Marechal Deodoro, ofereceu denúncia contra sete pessoas envolvidas na venda ilegal de terrenos no município. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (16).

Elas são acusadas de associação criminosa voltada para o ilícito de estelionato e desmembramento irregular de solo. De acordo com a ação penal, a quadrilha obteve um lucro de pelo menos R$ 2,4 milhões.

Três dos denunciados são da mesma família e foram identificados como João Reinaldo de Sena, vulgo porquinho, e suas filhas, a ex-vereadora da cidade de Marechal Deodoro, Larissa Ruana Pereira Lopes de Sena, e Luana Cristina Pereira Lopes de Sena.

O Ministério Público também apontou como operadores do esquema José Paulo Roque de Archanjo, o sargento Roque, Eronildo dos Santos Costa, José Luiz da Silva, vulgo lula, e Tonny Rayf Carvalho Pinto, conhecido como engenheiro Tony. Todos são ex-militares.

O crime foi descoberto em outubro de 2016, na operação “Terra dos Marechais”. O crime ocorria a partir da alienação de lotes de terra sem que os indiciados fossem os proprietários dos mesmos.

Loteamentos Jeová e Acauã
Ainda segundo a denúncia, o grupo adquiriu dois terrenos e não realizou o pagamento pelos mesmos. Ainda assim, construíram nos locais os loteamentos denominados Jeová Jirehe e Acuã, sem a devida autorização dos órgãos municipais e estaduais responsáveis pelas autorizações legais desse tipo de empreendimento.

Para realizar as vendas fraudulentas a quadrilha se dividia e cada grupo era responsável por um dos loteamentos. No Jeová Jireh, as transações eram comandadas por João Reinando Sena e suas duas filhas. Já no Loteamento Acauã, a ação do grupo era coordenada por Eronildo dos Santos Costas.

Os envolvidos dividiram os lucros entre si e, mesmo obtendo altas quantias em dinheiro, não pagaram o valor pela aquisição dos terrenos e, mesmo depois de descoberta a fraude, não devolveram qualquer quantia às vítimas.

Só no loteamento Acauã foram vendidos cerca de 197 lotes de terra, cada um no valor de R$ 12 mil, gerando uma arrecadação para a quadrilha de R$ 2,4 milhões. Inclusive as investigações revelam que um mesmo lote de terra foi vendido para mais de uma pessoa.

“Os autos mostram que essas pessoas foram responsáveis por induzir as vítimas a uma falsa concepção de que adquiriram um terreno regular, e que, a partir da compra, seriam proprietárias do lote. Elas agiam de má-fé para obter vantagem, nada estava regular nesta transação. Tanto, que venderam, receberam o dinheiro e não efetuaram o pagamento dos terrenos”, diz o promotor de Justiça Silvio Azevedo Sampaio.

Compartilhe:
Tags: ,,,

Comente no Facebook

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com