terça-feira, 16 de outubro de 2018

Blogs

Espírito de Vichy

A crise brasileira vai atingindo tal estágio que já ameaça o seu futuro como nação soberana. Até porque as fraturas econômicas, geopolíticas e institucionais são visíveis a olho nu, enquanto forças políticas resolvem tratá-las como elementos conjunturais, adotando táticas exclusivistas, só convenientes aos seus projetos eleitorais em 2018.

Essas rupturas estão abalando o tecido institucional, ao ponto de levar de roldão o País, na ausência de qualquer perspectiva, como uma nau desgovernada sem tripulação.

A História nos ensina sempre, através de inúmeros exemplos, que a primeira vítima, nesses casos, é o Estado de Direito democrático que já se encontra extremamente agredido.

Depois, sucede a tormenta econômica absoluta, em seguida o caos social, assim como a integridade da soberania sob ataques das grandes potências mundiais no saque das nossas riquezas naturais, além do surgimento de algum tresloucado aventureiro de ocasião.

Segmentos das grandes elites nativas guiam-se pelo espírito de Vichy, como afirmou o professor Mangabeira Unger, evocando as elites econômicas e políticas francesas na capitulação vergonhosa, criminosa, diante da Alemanha nazista durante a 2a Grande Guerra mundial.

Entregando a França de mão beijada às hordas hitleristas, salva pela indômita luta da Resistência Francesa, a altivez do general Charles De Gaulle, depois eleito presidente.

Mangabeira Unger diz que quem sempre se identificou, inveteradamente, com a nação, foi o Brasil real; ou seja, as grandes maiorias do povo trabalhador e mestiço, síntese, por aqui, do excepcional sincretismo, da rica fusão dos africanos, índios, portugueses notadamente, posteriormente incorporadas por outros imigrantes que para cá vieram, dizia Darcy Ribeiro.

O Brasil está dividido, sem norte, alento e autoestima, em consequência de uma pauta política de figuras com objetivos antinacionais, outros, movidos, exclusivamente, por agendas minoritárias. Não defendem os anseios das grandes maiorias do Brasil real, nem os interesses soberanos da nação.

Além de um governo Temer ilegítimo e profundamente impopular, com suas reformas antissociais, sua genética vocação entreguista. Nesse caos é fundamental construir uma alternativa política ampla, democrática e patriótica que possibilite reencontrar os rumos do País.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com